A dor lombar (DL) é a lesão mais comum do aparelho músculo esquelético, tendo a incidência entre 60 a 80% na população mundial.

Os fatores que predispõem o indivíduo a DL são os mais variados porém sabe-se que atividades ocupacionais que demandem movimentos repetitivos de rotação de troco ou mesmo flexão são um dos principais fatores relacionados a lesão, a inatividade física, sobrepeso ou falta de alinhamento biomecânico da coluna também são citados como fatores responsáveis.

Entre os corredores a dor lombar é mais comum do que se imagina, calcula-se que 10% de todas as lesões músculo esqueléticas estejam relacionadas a dor lombar. Porém a característica desta lesão entre os corredores tem uma peculiaridade, ela possui características de dor crônica e não aguda como na maioria da população, em geral os corredores convivem com este desconforto por mais tempo, tendo uma evolução lenta do quadro, até o momento em que não conseguem mais lidar com a dor.  Os atletas que treinam para provas de média (até 21Km) e longa distância (até 42Km) estão mais susceptíveis a esta lesão, decorrente do aumento significante do número de rotações que o tronco executa sobre o eixo do quadril.

Uma biomecânica equivocada também é fator causal. Durante a corrida o atleta precisa de aproximadamente 30° de flexão de tronco para reduzir a força de reação do solo que vem dissipadas através dos ossos da perna, evitando assim a sobrecarga das musculaturas lombares, a diminuição ou o aumento desta angulação pode ser fator importante para o aparecimento da dor lombar. Por isso um gesto esportivo correto tem ligação direta com a prevenção de lesões.

Alguns estudos conseguiram associar a dor lombar com o tipo de contato inicial que o atleta fazia no solo, eles dividiram o contato inicial de três maneiras: Retropé (calcanhar), Médiopé e Antepé.

A pesquisa consistia em um questionários de conforto na corrida e de dor lombar, eles conseguiram correlacionar que os sujeitos que faziam o contato inicial com antepé tinham maior conforto na corrida com menor histórico de dor lombar entre os atletas.

Isto não quer dizer que todos tenham que começar a correr de antepé a partir de agora, algumas pessoas já possuem a tendência de corrida com a parte anterior do pé outras não, são vários fatores que determinam isso, para se descobrir esta característica é necessária uma análise de marcha detalhada com o seu fisioterapeuta.

Referência:

DELGADO T. L. ET AL; Effects of foot strike on low back posture, shock atenuation, and confort in running.; MEDICINE & SCIENCE IN SPORTS & EXERCISE, 2013.
WOOLF S.K. ET AL; Low back pain in running-based sports.; Southern Medical Journal; V 97, N 9, Set.

  • All
  • Fisioterapia
  • Nutrição
  • Ortopedia
  • Pilates
  • Default
  • Title
  • Date
  • Random